Início

Mestrado 2020 – Prova Escrita (Etapa 2)

Dia 18/11 (segunda-feira) às onze horas na sala A1-011. Bloco A CCS

Mestrado 2020 – Inscrições Homologadas

Ádrivan Machado Henrique
Aline do Socorro Soares Cardoso Almeida
Ana Luiza Barros Goulart
Anastacia Cristina Monteiro André
Andréa da Silva Carvalho
Aparecida de Fátima Gomes dos Santos
Ariela Cardoso Da Silva
Carina Freire da Fonseca Millen Correia
Carlos Henrique Dantas Cardozo
Cilene de Souza Bispo
Denise Lima
Débora de Oliveira Souza
Eder Pereira Peçanha
Edmila Santa Rita
Élida Santos Ribeiro
Eliete Cristina De Souza
Elizangela de Souza Rosa Silveira
Fabíola Barreto Assenciano
Gabriella Assumpção Franco de Souza
Gilmar de Paula Bezerra
Henrique Tavares Godinho
Janine Monteiro Moreira
Jhony Coellho
Joice Souza da Silva
Kennedy Ramires Mangerot Ribeiro
Keyla Gomes Veloso
Larissa Fernandes Pereira
Leonardo de Sá Monteiro De Barros
Lucas Coutinho Amaral
Luciene Marcelino Ernesto
Luzhelene Silva Bernardo
Maiana Eloí Ribeiro Dos Santos
Matheus Henrique Jardim Motta Barillo Borré
Michael Baldi Maller Hermenegildo
Natalia da Silva Werneck
Rafael Francisco Teixeira
Taís Exposito Filgueiras
Wiverson Weslley da Silva Freitas

Tese de doutorado do Instituto Nutes/UFRJ ganha prêmio da Capes

O Prêmio Capes 2019 concedeu Menção Honrosa à tese de doutorado defendida por Edgard Miranda da Silva, sob a orientação da professora Rita Vilanova, no Programa de Pós-graduação de Educação em Ciências e Saúde (PPGECS) do Instituto Nutes. Este ano a premiação obteve recorde de inscrições com 1140 candidaturas em 49 categorias. De acordo com a Capes, mais de 93 trabalhos receberam menção honrosa.

Com o título “Educação científica e cultura política democrática: um estudo sobre o processo de recontextualização de elementos de formação política na prática do ensino de Ciências nas séries iniciais”, Edgar articula com originalidade educação científica e cultura política no Ensino de Ciências com séries iniciais do Ensino Fundamental. O parecer da banca de avaliação do Nutes decidiu com unanimidade indicar a tese de Edgar ao prêmio por desenvolver análise sobre temas atuais, relacionando ensino de ciências e formação política.

Segundo o parecer: “O texto é bem escrito e possui significativo folego teórico e analítico, visto a ampla revisão bibliográfica apresentada e a detalhada, abrangente e aprofundada análise de seus resultados. Atinge, assim, de forma destacada, nível acadêmico de alta relevância para o desenvolvimento científico, cultural e social, e tem impacto potencial na geração de novos caminhos de pesquisa na área”.

Edgar é professor do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico do Colégio Pedro II. Também é coordenador do Grupo de Estudos, Pesquisa e Extensão em Educação e Sociedade – GEPES. Suas pesquisas focam a compreensão dos processos de construção e recontextualização de políticas educacionais e curriculares; o currículo e ensino de ciências nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental e a formação de professores.

Histórico/Missão

O Programa de Pós-graduação do NUTES foi criado em 1996 e teve seu curso de Mestrado credenciado pelo MEC/CAPES em 1999. Originalmente voltado para a investigação da Tecnologia Educacional em Saúde, com a renovação do corpo docente e o atendimento à crescente demanda de professores do ensino básico, o programa naturalmente ampliou suas temáticas de pesquisa, de forma a (i) estender a discussão sobre educação em saúde, tradicionalmente relacionada ao ensino superior, para os níveis de ensino fundamental e médio, (ii) incluir uma discussão acerca do papel das tecnologias da informação e comunicação no ensino de ciências na escola básica, gerando assim contribuições para a área de Ensino de Física, Química e Biologia, (iii) integrar dimensões socioculturais relevantes no estudo das relações entre educação, ciências e cultura em ações educativas em ciências e saúde em espaços formais e não formais. Esta ampliação do escopo das atividades do Programa configurou uma nova identidade acadêmica, concretizada em dois níveis institucionais: (i) na reestruturação de sua proposta de formação para responder à crescente demanda da sociedade, de profissionais das áreas da saúde e de professores do ensino básico por investigações acerca das relações entre Educação, Ciências e Saúde e (ii) na mudança do Programa, que estava alocado na área Multidisciplinar, para a área de Ensino de Ciências e Matemática, atualmente área de Ensino (Área 46) que já abrigava programas cujas propostas estavam voltadas para o campo da Educação em Saúde.

Em sua atual configuração a proposta do programa se organiza a partir de uma visão crítica das relações entre educação, ciências e saúde, respondendo aos desafios postos pelo contexto educacional e de formação de professores das ciências e de profissionais de saúde. O trabalho acadêmico é desenvolvido em cinco laboratórios de pesquisa que abrigam grupos cadastrados no Diretório Nacional de Grupos de Pesquisa do CNPq. A equipe docente conta com 16 professores credenciados, sendo 14 permanentes e 03 colaboradores (Normas para credenciamento de Docentes no Programa – Aprov. CEGNUTES 21/06/2018). Deste total, cinco são bolsistas de Produtividade em Pesquisa do CNPq. O programa tem tido fluxo regular de formação e tempo médio de titulação adequado aos limites sugeridos pela CAPES. Seu impacto social é atestado pelo alto índice de aprovação dos titulados em concursos públicos, pela atuação de seus egressos em instituições de ensino superior e no sistema de saúde, pelos significativo número de projetos financiados, pela produção acadêmica docente e discente em periódicos e eventos classificados nos estratos superiores do Qualis da área 46, pelo desenvolvimentos de materiais didáticos e de ações de formação permanente. As cooperações acadêmicas do Programa em nível nacional e internacional foram ampliadas, o que tem permitido aos doutorandos realizar estágios doutorais no exterior. Até a presente data, o Programa já formou 247 mestres e 46 doutores, oriundos principalmente das áreas das ciências naturais e biomédicas. Na última avaliação quadrienal da CAPES (2013-2016), o programa recebeu nota 6.

Integradas numa única área de concentração intitulada Ensino de Ciências e Saúde, as novas linhas de pesquisa reforçam a identidade com o campo do Ensino de Ciências e Saúde.